Sukhoi Su-57 Frazor

O  Su-57 Frazor produzido pela Sukhoi será o primeiro caça de quinta geração da Rússia; ele visa inicialmente substituir os datados Su-27 Flanker de quarta geração. O objetivo é ter uma aeronave de quinta geração pavimentando o caminho para as variantes Flankers da geração 4++ (Su-30SM, Su-34 e Su-35S) e preenchendo a lacuna criada por aeronaves de quinta geração na defesa antiaérea russa.

Anúncios

Perspectivas de Moscou sobre a evolução da tecnologia furtiva dos EUA

O crescente número de aeronaves furtivas lançadas pelos Estados Unidos e seus aliados representa para a Rússia um desafio sem precedentes. No entanto, em vez de reconhecer o salto qualitativo na capacidade que uma frota cada vez maior e mais sofisticada de aeronaves furtivas traz consigo, analistas russos contemporâneos e altos oficiais militares optaram, em grande parte, por seguir uma tradição russa de longa data de minimizar publicamente a questão da utilidade da furtividade...

Raduga Kh-101/102, o “game changer” da Aviação de Longo Alcance da Rússia

O emprego operacional do novo míssil de cruzeiro russo Kh-101 nos últimos anos serviu para levantar o moral da Aviação de Longo Alcance da Rússia, que, mesmo desprovida de um bombardeiro furtivo de longo alcance, agora pode "derrubar a porta" do adversário com uma arma baixo observável de ultra longo alcance sem comprometer a integridade de seus bombardeiros.

Radar de varredura eletrônica

O radar de varredura eletrônica (ESA) foi o maior salto dos radares aeroembarcados desde o incremento da capacidade look-down/shoot-down (olhar e atirar para baixo) nos anos 70. Hoje, o ESA encontra-se operacional nos principais e mais avançados caças de linha frente, melhorando consideravelmente a capacidade de rastreamento contra alvos espaçados e com pequena assinatura radar.

MiG-25 vs. F-35, geração de energia e arquitetura energética do radar

O MiG-25 Foxbat foi um poderoso interceptador desenvolvido durante os anos 60 na extinta União Soviética, era caracterizado, dentre outras coisas, por um poderoso radar capaz de trabalhar com 600kW de potência. Mas como o MiG-25 conseguia operar com este nível de energia enquanto o F-35, que é focado na geração de energia, produz "apenas" 160kW em seus geradores?